sexta-feira, 17 de janeiro de 2014 às 00:23

Caminhões pesados invadem o centro da cidade

Secretaria Municipal de Trânsito estuda restringir tráfego de veículos pesados que fogem de pedágio e entram na cidade

por Everton Dias
Jornal Correio de Itapetininga

A invasão de veículos pesados no centro da cidade tem causado reclamação de moradores e transtorno à prefeitura. Segundo um estudo recente divulgado pela Secretaria de Trânsito, um dos grandes problemas enfrentados nas vias da cidade é o tráfego de caminhões e veículos pesados que fogem dos pedágios da rodovia Castello Branco e entram na região central para acessar outras rodovias, como a Raposo Tavares (SP-270) e a Francisco da Silva Pontes (SP-127). A invasão de caminhões atinge diretamente a Marginal dos Cavalos, rua Júlio Prestes e a Avenida Cinco de Novembro.
De acordo com o levantamento, os principais geradores de tráfego deste tipo de veículos em Itapetininga são as rodovias Gladys Bernardes Minhoto (SP-129) e a Aristides da Costa Barros (SP-157). De acordo com o diretor de Trânsito da cidade, coronel Walter de Oliveira, os veículos pesados utilizam essas rodovias que ligam Itapetininga as cidades de Tatuí e Guareí para desviar das praças de pedágio do km 158 da Castello Branco (SP-280) no município de Quadra e do km 133 da Antônio Romano Schincariol (SP-127) no Distrito do Morro do Alto, em Itapetininga.
No ano passado, para tentar restringir o acesso a esse tipo de veículos, a prefeitura proibiu a entrada nas ruas da Vila Máximo, bairro situado às margens da Marginal dos Cavalos, que tem virado rota, principalmente, de caminhoneiros que chegam de Guareí. O acesso também é proibido na rua Júlio Prestes, mas diariamente os motoristas desrespeitam a sinalização e invadem o bairro e as ruas centrais. Segundo o diretor, o apoio da Polícia Militar foi solicitado e a fiscalização intensificada.
De acordo com a Secretaria de Trânsito, a fuga de caminhões de pedágios tem causado grande prejuízo para o município, como a degradação do viário urbano. Diariamente transitam pelas ruas da cidade caminhões, bitrens e treminhões que na maioria das vezes estão somente de passagem sem destino ou origem em Itapetininga. “Também há risco de acidentes, eleva o custo adicional do município para recuperar o viário urbano, a poluição sonora e a desvalorização dos imóveis na região por onde passam”, afirma.

Prefeitura quer restringir os caminhões
A proposta da Secretaria de Trânsito é restringir totalmente a entrada de caminhões sem origem e destino à Itapetininga na área urbana do município. Segundo o secretário de Trânsito, Amadeo Zanolli, o primeiro passo é criar uma lei na Câmara Municipal e um decreto que regulamento a restrição. “Só poderão entrar em Itapetininga, de acordo com a proposta, caminhões que tenham origem ou destino na cidade”, afirma. Uma das formas de fiscalização seria por meio da nota fiscal da carga.”Faremos fiscalização por amostragem para inibir essa invasão”, afirmou.
Outra ideia apresentada para proibir a entrada de caminhões seriam a instalação de radares a implantação de restritores de largura, como tubos de concreto, nas vias. “Campinas, São José do Rio Preto e a cidade vizinha de São Miguel Arcanjo já utilizam esse método”, afirma o secretário de Trânsito.

Correio Plus