Ivan Barsanti

Descrição pendente

Agenda

quinta-feira, 21 de março de 2019 por Ivan Barsanti

O encontro
Deu-se no último janeiro (dia vinte e cinco) quando a itapetiningana Lúcia Maria Fernandes Ferraz voltando de Dubai e Abu Dhabi, Emirados Árabes (com a agência Adati, daqui) na conexão no aeroporto de Londres, Inglaterra encontrou-se com o atual vereador paulistano Eduardo Matarazzo Suplicy (do Partido dos Trabalhadores) que voltava de uma missão humanística no Quênia, África. Houve tempo para a confraternização.

Resultados
medíocres I
Professores da ativa e já aposentados da rede estadual de ensino daqui de Itapetininga, principalmente segmentos deles associados à Apeoesp (Sindicato dos professores da rede estadual de São Paulo) desta cidade e região comentando os atuais resultados do Saresp (Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) exame que avalia os estudantes da rede pública paulista nas quintas séries (Fundamental I), nonas séries (Fundamental II) e terceiros anos do ensino médio. Este exame foi realizado em 2018 na gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e as avaliações ficaram (bem) abaixo do limite esperado em cada série letiva. As disciplinas avaliadas foram Matemática e Português. Segundo reportagem do paulistano jornal “Agora” (Grupo Folha de São Paulo), A4, de treze de fevereiro de 2019, numa quarta-feira, “os estudantes da rede pública do Estado de São Paulo estão três anos atrasados em relação ao que se poderia esperar dela, principalmente em Matemática e segundo os dados do já citado Saresp. Exemplo: “alunos do nono ano do Fundamental II tem o desempenho em Matemática esperado para o sexto ano (início do Fundamental II). Na mesma reportagem do jornal “Agora”: - “Ao se formarem no terceiro ano do ensino médio, os estudantes têm o desempenho em Português esperado para o nono ano do Fundamental II. E é necessário observar que tais estudantes concluintes do último ano do ensino médio, se forem prestar vestibular numa faculdade pública (estadual ou federal) terão pela frente a temível redação, quesito importantíssimo na aprovação (ou não) do candidato. Segundo ainda a reportagem do jornal “Agora” (de 13/2/2019), no Ideb (índice nacional de qualidade de educação) São Paulo foi apenas a décima sexta unidade da federação que mais evoluiu entre 2005 e 2017. A décima-sexta.

Resultados
medíocres II
Diante desses resultados negativos (e até esperados) do Saresp 2018 (Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar no Estado de São Paulo) anunciado a semana passada e envolvendo alunos do quinto ano e nono ano do Fundamental I e II e do terceiro ano do ensino médio, segmentos de professores da rede estadual daqui de Itapetininga assinalam que o mau desempenho da rede pública paulista “vem de longe”, desde as décadas de 1980 e 1990, principalmente quando foi introduzido na rede pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (1995, por aí), no governo de Mário Covas (PSDB), o sistema de “Educação Continuada”, que foi imposta sem muito diálogo com os professores, diretores, supervisores e que logo se transformou em “Promoção Automática” facilitando em muita a vida dos estudantes que não precisavam estudar para serem promovidos. A partir daí, a escola estadual paulista só piorou em qualidade.

Cinema político
O itapetiningano José Benedito Meira, funcionário público federal, já aposentado, não vê a hora de assistir (nem que isso sugira uma ida até São Paulo) o filme brasileiro “Marighella”, uma cinebiografia sobre o guerrilheiro de esquerda assassinado pela ditadura militar brasileira (1964-1985) no final da década de 1960, em São Paulo. Segundo reportagem de Guilherme Genestreti no suplemento “Ilustrada” da agora novamente poderosa “Folha de São Paulo”, da penúltima sexta-feira, treze de fevereiro: - “‘Marighella’ é dirigida pelo ator (agora diretor) Wagner Moura (do assistidíssimo Tropa de Elite I e II) e que obteve muitos (e muitos!) aplausos no Festival de Berlim, Alemanha, na estreia para a crítica especializada, neste último fevereiro. Justamente pelo tema e pelo biografado o filme “Marighella” teve pouquíssimos recursos financeiros do setor privado nacional. No filme, Wagner Moura mostra um Marighella (que foi deputado federal pelo Partido Comunista antes de ser guerrilheiro) “que não era bonzinho, era um radical enfrentando uma força opressora com violência semelhante à que estava submetido”. O longa-metragem se inspira na terceira parte da obra “Marighella - O guerrilheiro que invadiu o mundo”, de autoria do jornalista Mário Magalhães, editora Companhia das Letras. O papel-título coube ao cantor e compositor “Seu Jorge”. É por essa e outras que o itapetiningano José Benedito Meira quer porque quer assistir ao filme que ainda não tem data para estrear no Brasil. Mas tudo indica será um dos grandes lançamentos do ano.

Palco
Desta vez foi num sábado o penúltimo, dezesseis (fevereiro) quando a “promoter” Vera Lúcia Abdala (secretária municipal da Educação, primeira gestão do prefeito Roberto Ramalho) levou dezenas de itapetininganos para assistirem no Teatro das Artes, no Shopping Eldorado, bairro de Pinheiros, São Paulo, a comédia de Miguel Paiva, também cartunista, carioca, de título “Gatão de meia idade”. No elenco, interpretando o papel-título o “global” Oscar Magrini (contando os percalços da vida amorosa, inclusive sexual de um homem de meia idade) e a correta Amanda Padula (que substituiu Leona Cavalli, impedida, por compromissos com a TV Globo). Itapetininganos que foram com Vera Lúcia Abdala: Luzia Helena do Amaral Bergamin, Lucia Maria Fernandes Ferraz, Valderes e Viviane Sacco, Márcia e Guido Almeida, Maria de Lourdes Santos Holtz, Luiz Gustavo Holtz, Márcia Souza, Marília Santos, Eliana Maria Monteiro Moraes, Alice Horie, Silmara e Márcio Spada, Joana e Carlos Salles, Rosana Iglesias, Márcia Ozi, Andréia Lamansov Matias Martins, Maria Estela Izzo, Maria de Lourdes Fernandes, Maria Aparecida Rosa Morenghi, Marina Colaço Riberti, Maria Silva, a Marcinha, Patrícia Silva, Eloá Ozi Vei, Ivan Barsanti Silveira. A empresa condutora foi ônibus da Nossa Senhora Aparecida e o motorista Bruno. Um sábado realmente alegre.

Birthdays
Mudou e mudam de idade as seguinte cidadãs itapetininganas: no último dezoito, numa segunda-feira, Ivone Lisboa, vice-diretora de escola da rede estadual de ensino, já aposentada e no próximo cinco, terça-feira carnavalesca, Rosana de Almeida Galvão, bancária, Banco do Brasil daqui, já aposentada.

Escritos
Professora de Filosofia da rede escolar estadual daqui e de faculdades como Pedagogia, da extinta Associação de Ensino e de Direito da Fundação Karnig Bazarian, citando uma frase da colunista carioca Hildegard Angel: - “Ninguém precisa se mudar do Brasil. O Brasil já se mudou de nós. O Brasil que queremos acabou....”.

Ações
A prefeita Simone Marquetto está sendo bastante elogiada por duas benfeitorias realizadas recentemente: a criação da Casa de Apoio aos Pacientes de Itapetininga para aqueles que buscam tratamento no Hospital do Amor ou Hospital do Câncer na cidade de Barretos, interior paulista. Também: a parceria com a Santa Casa de Sorocaba (gestora do Hospital Regional de Itapetininga, atual “Dr. Léo Orsi Bernardes” com a Universidade Brasil - campus de Fernandópolis, interior paulista no sentido de que os alunos do último ano do curso de Medicina façam residência (atendimentos) no Hospital daqui de Itapetininga. Daí os inúmero elogios à prefeita Simone.