Ivan Barsanti

Descrição pendente

Agenda - 540

domingo, 26 de maio de 2019 por Ivan Barsanti

Encontro
Itapetininganos que cursaram o “Científico” (hoje ensino médio) no então Instituto de Educação “Peixoto Gomide” no início da década de sessenta, numa residência do Jardim Colombo, região do Clube dos Bancários aqui, no penúltimo sábado, vinte e sete. Em pé (esquerda para direita): José Henrique Mendes Tarcia, Iraí Barsanti Camargo (anfitrião), Francisco Weiss Neto, Francisco Rodrigues Andriolo, José Paulo Ayres Ribas, Cristóvão Modena, Reinaldo Roque Pires, o “Poy”. Agachado: Sandrino (filho de Francisco Andriolo).

 

Mérito
Filho de Julieta (Rodrigues) e do saudoso Luís Andriolo (da Estrada de Ferro Sorocabana), o itapetiningano Francisco Rodrigues Andriolo, formado pelo então curso Cientifico (hoje ensino médio) no também então Instituto de Educação “Peixoto Gomide”, aqui e depois graduado em Engenharia Civil (Estruturas) pela Escola de Engenharia de São Carlos (interior paulista) USP, em 1969, é nome (desde 2008) do pavilhão do Laboratório da CESP (Centrais Elétricas de São Paulo) na Ilha Solteira. O itapetiningano Francisco é diretor presidente da Andriolo Engenharia Limitada (www.andriolo-eng.com). Francisco, ou “Chico” para os íntimos é especialista em Materiais e Concretos e no Planejamento de Construção de Obras. Acompanhou a realização de ensaios em vários países como nos Estados Unidos, Portugal, México, Panamá, Espanha, Itália, Bélgica, Inglaterra, Angola, Jordânia, Irã, Turquia, Arábia Saudita, Colômbia, Peru e Argentina, entre outros. “Chico” Andriolo atuou profissionalmente em vinte e seis países (dos quatro cantos do mundo) com cerca de oitenta milhões de m³ de concretos. Participou da construção das hidrelétricas de Ilha Solteira e Itaipu, no Brasil. Francisco Rodrigues Andriolo reside atualmente em São Carlos, interior paulista mas não se desligou afetivamente de sua terra natal.

Obra
A direção e a equipe de professores e alunos do ensino médio responsável pela elaboração do livro “Escola Estadual Peixoto Gomide” – 120 anos de existência em 120 páginas” estão comunicando uma solenidade especial sobre o tema no salão nobre da centenária escola no próximo vinte e nove (julho) numa quarta-feira, às sete horas da noite. O citado livro é resultado de muita e muita pesquisa, recentes e incluindo outras das décadas de setenta, oitenta e noventa. O evento promete ser emocionante.

Vida I
Na pequena mas excelente biografia do ex-prefeito daqui de Itapetininga Waldomiro de Carvalho (gestão 1948-1951) o autor, seu filho, Waldomiro Benedito de Carvalho, o “Chuca” (da Academia Itapetiningana de Letras e do Instituto Histórico Geográfico e Genealógico de Itapetininga) e autor do livro “Clube Venâncio Ayres – 121 anos de história”, Edição do Autor, 2011, conta que seu pai, Waldomiro, foi o único prefeito/municipal que ao término de sua administração saiu mais pobre que quando iniciou seu governo. Vendeu inúmeros imóveis para pagar contas da Prefeitura pois a receita anual era muito pouca e os cofres públicos tinham que atender os gastos da Câmara e o dinheiro estadual e federal recebidos eram insuficientes.

Vida II
Segundo ainda Waldomiro Benedito de Carvalho o “Chuca” na biografia do seu pai Waldomiro de Carvalho, prefeito desta cidade entre 1948-1951, antes de ser prefeito, Waldomiro pai era dono de inúmeros imóveis nesta cidade, situados na área central e muito valorizados e para equilibrar os cofres públicos teve que vender os seguintes: o prédio assobradado da rua Saldanha Marinho onde funcionava o cartório de 1º Ofício e 1º Tabelião, posteriormente demolido; o estacionamento anexo ao prédio do Banco do Brasil (rua Júlio Prestes) à rua Saldanha Marinho; sobrado na rua Saldanha Marinho; prédio situado na esquina da rua Saldanha Marinho com a Pedro Marques; dois imóveis gêmeos, situados na rua Virgílio de Rezende onde, hoje, situa-se o Hotel Iporã. É por isso que Waldomiro filho, o “Chuca”, conta que seu pai, Waldomiro de Carvalho foi o único prefeito de Itapetininga que ao término de sua administração (1948-1951) saiu mais pobre que quando iniciou seu governo.

Escrever é...
O acadêmico Angelo Lourival Ricchetti representante da Academia Itapetiningana de Letras está coordenando uma cooperação entre a Academia e a secretaria municipal de Cultura e Turismo (Prefeitura) para a realização de uma “Oficina para Escritores Iniciantes”, a ser realizado na Biblioteca Municipal (na Campos Salles) para dez participantes (seria uma primeira turma). E o início será em agosto (dia vinte e seis) e continua em setembro (nos dias: dois, nove, dezesseis, vinte e três e trinta). As inscrições serão abertas brevemente. Os futuros escritores deverão ficar “de olho” na data de inscrição.

Gênio
O cultural Roberto Lima de Lara e sua esposa Elza (professora de Filosofia da rede estadual de ensino, já aposentada) assistiram no último domingo, cinco, com participantes do itapetiningano grupo “Vamos ao Teatro”, coordenado por Leomira Camargo Nunes, o espetáculo “Chaplin”, musical”, com Jarbas Homens de Mello (interpretando o papel título), Marcelo Antony e quinze atores mais orquestra, no teatro Net, no Shopping Vila Olímpia, no bairro do mesmo nome em São Paulo. Desde a sua juventude Roberto Lara admira o artista “Charlie Chaplin, inclusive pelas suas propostas humanistas. E não foram poucas as vezes que Roberto fantasiou-se de “Carlitos” (personagem criado por Chaplin no cinema mudo de Hollywood) nos carnavais do Clube Venâncio Ayres e mais recentemente nos saraus culturais desta cidade.

Palco
A “promoter” Vera Lúcia Abdala levou sua turma de itapetininganos, no penúltimo domingo, vinte e oito, para assistir no teatro “Gazeta”, na avenida Paulista, a comédia “Relações Aparentes” com Vera Fischer (ainda em boa forma física) e Tato Gabus Mendes, entre outros. Depois do almoço no Shopping “Pátio Paulista” (e compras, muitas compras!) os itapetininganos puderam observar uma avenida (Paulista) bastante humanizada em virtude da ciclovia inaugurada e dos milhares de paulistanos que passeavam por lá (a avenida foi fechada ao trânsito de veículos pela manhã e até as cinco da tarde). Quem foi: Angelina (Pereira Cardoso) – Roberto Soares Hungria; Cláudia Fernandes Dandreta, Olga Pellegrini, Maria Cristina Nery, Maria Helena Marino, Erzi Paes Barsanti, Lúcia Ferraz com a filha Daniela, Alice Horie, Eliana Monteiro, Nery Arantes, entre outros.

Birthdays
Esposa do cronista Alberto Isaac deste “Correio” Eza Abrão Isaac muda de idade no próximo quatorze, terça-feira. E o cinegrafista Fábio Silveira Campos comemorou aniversário no último oito, quarta-feira, com jantar íntimo no restaurante japonês “Tarô”, aqui.