Benedito Madaleno Mendes

Desceu à Terra 1954... Diversas premiações em concursos de poesia, residiu em São Paulo por 20 anos. Da Voçoroca do Sul, observa a Via Láctea e conta suas observações do cotidiano.

Dilma sem boia

sábado, 20 de outubro de 2018 por Benedito Madaleno Mendes

Sábado, vendo as manchetes dos jornais pela internet, uma notícia me chama a atenção: “Governo Temer corta comida no Alvorada”! Gente do céu, que maldade! Onde já se viu cortar a boia de uma veneranda senhora que ainda é presidente da República? Isso não se faz!
Quer dizer que nhá Dilma ficou sem o cafezinho feito na hora, sem manteiga, sem aquele queijo que ela gosta tanto, sem o leite pasteurizado? Ora, minha gente, isso é muita maldade, crime hediondo, malvadeza pura, só pode ser!
E no almoço? Como Dilminha resolveu o seu problema? Será que pediu ajuda para algum vizinho? Telefonou pra algum petista pedindo socorro? Mandou um sinal de fumaça pro Lula?
E se vovó Dilma resolve fazer um quentão, convidar suas amiguinhas de Brasília pra uma festança junina e aí, na hora H descobre que sua casa não tem açúcar!A notícia irá parar nos jornais e nosso governo passará a ser chamado de carrasco de velhinhas!
Nossa, gente! Dilminha tem mais de sessenta... Manter uma velhinha à míngua é crime contra a humanidade e o Brasil poderá cair na boca do mundo como o primeiro país do Planeta a manter uma presidente presa a pão e água, aliás, a água e água! Talvez o caso vá parar no Tribunal de Haia! Que coisa feia!
Por sorte, parece que a desgraceira durou pouco tempo e o temeroso Temer voltou atrás! A verba para a dispensa da senhora Dilma já está disponibilizada, mas, que papelão, idoso merece respeito, não é mesmo?
Manter uma velhinha à míngua? É muita malvadeza!

 
 
0918_fibria